terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Castração - Bogeyman???

Amigos e conhecidos perguntam-me acerca da castração...

"Devo castrar?" Ao que geralmente eu respondo (tanto a cães, como gatos, tanto a machos como fêmeas) "Se não pretendes fazer criação, sim". É o que temos aprendido agora na faculdade e nos congressos, e é também aquilo que eu acredito. "Better safe than sorry!"

E a primeira reacção, geralmente do lado masculino, é "Ohhhh! Coitadinhos!"

Eu compreendo que para as pessoas seja difícil aceitar uma castração como uma coisa positiva para o animal, daí eu ter decidido escrever sobre isso no blogue.

Eu faço questão de lembrar a todos, um cão ou um gato não são Humanos (por mais que muitas vezes pareçam)! A necessidade dos animais para o cruzamento não é pelo prazer (como nos Humanos e golfinhos :P) e sim uma necessidade fisiológica. Muitas vezes esta necessidade fisiológica pode até chegar a ser dolorosa! Alguém já viu um cão aflito por existir uma cadela com cio pelas redondezas? Fica agitado, uiva, torna-se mais agressivo e muitas vezes não consegue nem andar de dores (eu já vi!).

Ah, e para quem já viu um cruzamento... hehehe... não é exactamente um mar de rosas. Nos cães, os bulbos penianos aumentam de tamanho de maneira que não possam ser retirados do interior da vagina da cadela até ao fim da ejaculação. E nos gatos existem espículas na glande do pênis para se prenderem ao interior da vagina das gatas (sim, aqueles berros que se ouvem das gatas no final, não é de prazer, é a remoção das espiculas!).

Castração se refere à ovariohisterectomia (OVH), que é a remoção cirúrgica dos ovários e do útero, ou à orquiectomia, remoção cirurgica dos testículos. São cirurgias bastante simples, embora mais no macho do que na fêmea, uma vez que na fêmea implica uma cirurgia abdominal, e são executadas diariamente na maior parte das clínicas onde se fazem cirurgias.

O porquê das castrações?
Eu vou falar somente das razões preventivas das castrações

Fêmeas - principalmente evitar cios (juntamente com os incessantes miares e choros das gatas e os pingos de sangue e perseguições por cães sempre que se vai passear, fugas e outras alterações comportamentais) e crias indesejadas (mesmo que pense que nenhum macho lhe chegue... basta uma vez!). Outras razões: prevenção de tumores mamários (é provado que a incidência de tumores mamários desce para 0,5% se a castração for efectuada antes do 1º cio e para 8 a 26% antes do 2º cio), prevenção de piômetras (infeccções uterinas), prolapsos vaginais, pseudogestações, neoplasias ovarianas, uterinas ou vaginais, controle de algumas anormalidades endócrinas (diabetes, epilepsia).

Machos - Reduz a superpopulação (já temos tantos animais nas nossas ruas, abandonados ou que já nasceram assim, a visão de "as fêmeas que se preocupem porque não é o meu macho que engravida" ou "eu tenho-o sempre debaixo de olho, ele não foge", quando há uma cadela ou gata com cio, os machos conseguem superar-se nos meios de escape! E como eu disse antes, basta uma vez! Vamos evitar mais animaizinhos nas nossas ruas), a agressividade (se a castração for feita pouco tempo após a agressividade ter começado ou antes, caso contrário é um tanto incerto), comportamentos errantes (fugas) e de micção indesejada.
Ajuda a evitar doenças relacionadas a andrógenos, incluindo prostopatias (hiperplasia prostáticas), adenomas perianais e hérnias perianais. Neoplasias testiculares, controle de epilepsia e anormalidades endócrinas.

Acham pouco? Ainda tem mais: Aumenta a expectativa de vida e diminui os riscos de doenças. Um gato castrado tem menos probabilidades de, quando está na rua, entrar em lutas territoriais ou de cruzar, sendo menor a probabilidade de contrair FIV (SIDA dos gatos - só é transmitida através do sangue, e portanto por mordidelas ou mesmo por contacto sexual), ou FeLV (leucose felina, que está presente nas salivas dos gatos e é transmitido por mordidelas, ou mesmo por partilha de refeição ou quando os gatos se lambem uns aos outros).
E nos cães também existem tumores venéreos transmissíveis!

Quando devo castrar?
Idealmente antes de atingir a puberdade. Isso varia muito com os estudos, médicos e países. Há quem prefira fazer muito cedo, mesmo antes do 1º cio ou após o 1º cio.

Castração precoce (2-5 meses):
  • Retardo no crescimento - a castração precoce atrasa o fecho das epífises ósseas, o que significa que o animal permanece em crescimento por mais tempo e terá uma estatura ligeiramente maior. Não acontece em todos os casos, mas mesmo acontecendo, não é grave.
  • Obesidade - 30% das cadelas castradas aumentam de peso devido ao aumento de apetite, porém se a ingestão de alimentos for controlada, tal não será problema. Estudos feitos mostra que não há um aumento na tal tendência devido à castração precoce.
  • Mudança de comportamento - Não há qualquer alteração em brincadeiras, monta, caça, dominância e guarda, tanto na castração precoce ou tardia. Existe no entanto, 90% de diminuição do hábito de "vadiagem" (principalmente nos machos), ou seja, de procurar fêmeas no cio ou lutas com outros machos, diminui consideravelmente a agressividade com outros machos e a marcação territorial através da micção.
  • Problemas urinários - Actualmente ainda se sabe muito pouco acerca da relação das hormonas sexuais sobre o sistema urinário dos cães e gatos. A incidência de obstrução uretral em gatos é igual em gatos castrados ou não. Em relação à incontinência urinária em cadelas, pode acontecer semana ou anos após a cirurgia, assim como em cadelas inteiras. Não há evidência que a castração, precoce ou não, irá potenciar o problema.

Eu pessoalmente prefiro a castração entre os 5-6 meses de idade em fêmeas (o primeiro cio pode aparecer aos 6 meses) e entre os 5-7 meses em gatos machos (antes da temível micção territorial em dentro de casa) e entre os 6- 9 meses (dependendo do tamanho da raça, de preferência antes de atingir a puberdade - geralmente antes de 1 ano de idade).

Não sou muito fã da castração precoce devido aos riscos anestésicos durante a cirurgia, os animais ainda são muito novos e muito pequenos, a metabolização dos anestésicos é mais lenta. Não é proibitivo, mas do meu ponto de vista é evitável.

Anticoncepcionais NÃO!!!
Muitos donos dão anticoncepcionais às cadelas e gatas, pensando ser um método mais barato e menos sofrido. Mal sabem do mal que estão fazendo ao seu bichinho...
Os anticoncepcionais têm efeitos secundários muito fortes e são as principais causas de tumores, diabetes e infecções uterinas!

A castração é a ÚNICA solução definitiva para o bem-estar dos cães e gatos, machos ou fêmeas!

domingo, 28 de dezembro de 2008

Adeus Pierrot

A tragédia aconteceu...

Fiquei tão em choque, triste, frustrada... que nem consegui continuar a escrever no blog.

Três dias após a primeira sessão de acupunctura teve de ser feita a eutanasia do Pierrot.

Não, não foi devido à acupunctura e penso eu, espero eu, que não poderia ter feito mais do que fiz por ele através da acupunctura, pelo menos não em apenas uma sessão!
Será que eu deveria ter feito sessões mais intensivas? Todos os dias? Pergunto-me todos os dias. Se eu apenas conseguisse prever o futuro! Mas na altura estaria eu lutando contra poliartroses (doença crónica) e não contra uma patologia aguda. Deveria eu ter feito pontos contra os vómitos? Esqueci-me de dizer, a eutanasia foi feita porque o Pierrot, infelizmente já apresentava um estado de caquexia e fraqueza muito grave, e vómitos incoersíveis.

Se a eutanasia esperasse apenas mais um dia, será que eu conseguiria ajuda-lo com uma segunda sessão? Eu tenho total confiança nas médicas e sei que a decisão que elas tomaram, juntamente com a dona do Pierrot, foi a melhor para o bichinho... Mas... será que? A frustração é tão grande...
Afinal era o meu primeiro paciente... e não podia ter corrido pior... Sei que não foi por minha culpa, sei que não poderia ter feito mais... mas... continuo a sentir o peso por dentro.

Pierrot, sinto muito por não ter feito mais, por não ter funcionado, por não ter tido tempo para... :( Vai com paz... pelo menos agora não tens dores.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Caso um - Pierrot

Para a tese do mestrado terei de apresentar pelo menos 3 casos clínicos (com a acupunctura, afinal é este o tema da minha tese), e durante algum tempo estivemos a pensar no caso ideal.
E o que é o caso ideal (perguntam vocês)?

O caso ideal tem que ter 4 aspectos importantes:
  1. Ser interessante
  2. A acupunctura poder ajudar alguma coisa no caso e ter como provar esta ajuda
  3. O dono aceitar
  4. O animal aceitar :D Isso quer dizer q o animal deverá ser meiguinho o suficiente para ser puncturado e ficar pelo menos 20 minutos quietinho com as agulhas.
E acreditem ou não, mas juntar estes 4 pormenores é extremamente complicado!

Mas então, graças à Dra. C. que me sugeriu o caso, surgiu o Pierrot! Pierrot é um gato de 14 anos com osteoartrose (aspecto 1, é interessante) - apareceu há 1 ano com dores articulares, neste momento tem as articulações inflamadas e os ossos deformados, dores e dificuldade de locomoção. E neste momento já não pode tomar corticos pois começou a fazer reacção (vómitos).

Portanto, não só a acupunctura pode realmente ajudar bastante neste caso como temos meios bastante bons e objectivos para medir a evolução (aspecto 2): fotos antes e depois, filmagens do gato a andar antes e depois, Radiografia do antes e depois, analises sanguíneas e analises específicas (anticorpos anti-nucleares e o factor reumatóide).

A dona aceitou prontamente (e ainda referiu que se não funcionar nele poderia fazer nela :D) e o gato (sim, irei fazer acupunctura num gato!) é bastante meiguinho e já lhe puncturei para mostrar a dona que não lhe provocava dor e o gato nem olhou, continuou deitadinho como estava. Inclusivé puncturei-me a mim própria na frente da dona para esta ficar completamente convencida (aspecto 3 e 4!!!).

Já tenho as fotos, a filmagem, a radiografia, ficam a faltar as análises e na próxima semana estarei mais que pronta para meter a mão na massa! :D E depois é cruzar os dedos para ter bons resultados para apresentar.

Em relação à acupunctura, ainda vou estudar melhor este caso sob a perspectiva da Medicina Tradicional Chinesa e depois entrarei em maiores detalhes. Fica aqui a lígua do gato, instrumento muito importante para o diagnóstico para a Medicina Tradicional Chinesa.

Apresentando-se neste caso avermelhada.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

As cobaias

Pois é, para quem está a aprender acupunctura, uma boa cobaia é o mais importante.

Apresento-vos então as minhas vet cobaias :D


Bê (minha gata)......Preto (meu gato)..... Timon ("sobrinho")

Bem... o Preto não pode ser considerado cobaia, uma vez que quando o tento puncturar, ele consegue tirar a agulha com a boca (onde quer q ela esteja) e foge com ela! E das duas vezes que experimentei resultou comigo a correr atrás do preto completamente desesperada. :O

A Bê é bastante mais pacífica e deixa ser puncturada a vontade, não reclama e nem sequer se mexe. O único senão é que ela não tem nenhuma patologia para eu tratar (felizmente para ela!).

Mas eu felizmente tenho a minha cobaia ideal! O Timon! O filho do irmão "catatua" mais velho.

O Timon tem hipersensibilidade a ácaros e está neste momento a fazer o tratamento (as vacinas para a dessensibilizações).

As vacinas são formuladas com base em resultados com testes cutâneos ou hemograma (sangue) e serve para evitar ou diminuir a quantidade de corticoesteroides para o controle da sintomatologia do animal (quando este é necessário mais de 4-6 meses por ano ou por ineficácia da terapêutica). A resposta às vacinas é lenta, podendo ir até 1 ano. Sendo que existe sucesso da terapia em apenas 60-80% dos casos. Então, porque não dar uma mãozinha ao destino com a acupunctura, ahn?

Portanto, foi exactamente isso que "resolvemos" ( :P), dar uma mãozinha ao destino para tentar pelo menos diminuir o prurido (comichão).

E o que a acupunctura diz sobre as alergias?

A acupunctura é utilizada para restabelecer a homeostasia interna (o balança do Yin e do Yang), através da regulação do Qi (lê-se Chi - é considerada a energia do individuo) e do sangue (Shue).

Da perspectiva da Medicina Tradicional Chinesa, em todas as patologias imunomediadas herdadas ou adquiridas, existe um desequilíbrio do Zheng Qi (é uma das energias, uma parte do Qi, que é considerada a energia defensiva do organismo, que corresponde ao Sistema Imunitário isso alguns milhares de anos antes de o ocidente ter descoberto o Sistema Imunitário!). Portanto a grande eficácia da tonificação do Zheng Qi e a expulsão do Xue Qui (agentes patogénicos que provêm do exterior) tem uma grande utilidade clínica para os casos de Hipersensibilidades.

A hipersensibilidade a agentes externos é considerado uma patologia Vento-Calor, em que se observa uma língua vermelha ou ligeiramente seca e um pulso rápido.

Os pontos que eu puncturei foram:

  • GB20, BL10 e BL12 - para retirar o vento (agentes externos do corpo) e parar o prurido
  • BL17 e SP10 - para melhorar a corrente sanguínea e "matar" o vento
  • Er-jian e Wei-jian (ponta das orelhas e ponta da cauda) para diminuir o calor
A hipersensibilidade é uma patologia crónica e portanto, apenas uma sessão não é minimamente suficiente para sequer a cura sintomática, o ideal seria em momentos como estes, de uma sintomatologia mais exuberante, três sessões na 1ª semana e duas sessões por semana por pelo menos 1 mês, passando depois a uma sessão por semana, reduzindo gradualmente.

Mas nem tudo foram rosas, pois não é por menos que a alcunha do nosso querido "sobrinho" é Timonstro!!! Um cão de 2 anos que padece de uma terrível doença chamada hiperactividade (para grande desespero de seus donos). E agora o terrível momento... puncturar um cão que não para 1 único segundo quieto e que ainda por cima está cheio de comichões???

Mas foi bem melhor que o esperado, apesar dos donos terem medo de agulhas (o dono nem quis estar presente e a dona fechava os olhos cada vez que eu colocava uma agulha :D), para a surpresa de todos nós, Timon deitou-se e manteve-se relativamente quieto durante os 20 longos minutos que durou a sessão. Tirando as agulhas da ponta da orelha e da ponta da cauda que talvez tenham durado uns 20 segundos e alguns pontos que só consegui puncturar de um dos lados, ele não mostrou qualquer desconforto ou dor às picadas e manteve-se sossegado.
Conseguimos até tirar algumas (muitas) fotos de tão surpreendidas que ficamos.

Claro que a primeira coisa que o Timon fez quando retirei as agulhas foi coçar-se... bem não podemos esperar milagres numa 1ª sessão, pois não? :D Ficaremos (eu e o Timon) a espera da próxima oportunidade, não é Timon??? Lindo menino!

video

Podem ter uma perspectiva dos donos do Timon aqui