quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Leishmaniose???

Muitos me perguntam, depois de ler o meu terceiro post o que é a leishmaniose e como se previne, pois bem, aqui vai...

Leishmaniose é uma doença provocada por um parasita (do género Leishmania) transmitido por mosquitos (vulgo "melgas").

Esta doença não tem cura, ou seja, o cão que a contenha torna-se portador para o resto da vida, embora a doença possa ser muitas vezes controlada com tratamentos e o cão possa ter uma longa e boa vida, podendo nem sequer vir a perecer, ou mesmo a demonstrar sintomatologia, desta doença.

Não existe (ainda) nenhuma vacina para prevenir a doença em Portugal, o único método de prevenção é um repelente para o mosquito através de uma pipeta (que também é eficaz contra pulgas e carraças) chamada Advantix, que deve ser colocada mensalmente, e por uma coleira, Scalibor, que também é eficaz contra carraças.

Esta doença não se transmite do cão para o dono (ou qualquer outra pessoa), uma vez que a doença tem que ser transmitida pelo mosquito para existir. Os Humanos dificilmente contraem esta doença, pois nosso sistema imunitário consegue combate-la. Para contrairmos a doença é necessário 1º que sejamos picados com um mosquito que nos inocule o parasita (a doença SÓ é transmissivel pela picada do mosquito) e 2º que o nosso sistema imunitário esteja deprimido ou suprimido para que a doença consiga avançar (doentes, transplantes, SIDA, idosos...).

Existem dois tipos de leishmaniose, a cutânea e a visceral. Na leishmaniose cutânea os nossos bichinhos têm um aspecto terrível por fora (os pêlos caem e com muitas crostas, as mucosas ficam muito sensíveis e sagram - daí o sangue a escorrer pela narina), mas geralmente tudo bem por dentro. Leishmaniose visceral é a mais preocupante, pois os nossos bichinhos têm muito bom aspecto por fora mas nem por isso por dentro, pois o parasita ataca os rins (principalmente), o fígado e até a medula óssea. Geralmente estes bichinhos acabam por se tornar Insuficientes Renais Crónicos e muitas vezes é mesmo disso que acabam por falecer.

A Leishmaniose felina também existe, mas é muito muito muito rara. Uma das doutoras da clínica onde estou a estagiar fez o seu mestrado acerca da leishmaniose e fez uma grande pesquisa acerca da leishmaniose felina e não conseguiu encontrar nenhum caso (se eu estiver errada pode me corrigir :D )

Acabando por aqui nossa pequena aula de Leishmaniose (e espero ter esclarecido todas as dúvidas), tenho boas notícias...

Conheçam o Joca! :D Sim sim, é mesmo ele! O cão com leishmaniose que acabou com pelo menos 3 rolos de papel de cozinha da clínica ao tentar estancar a hemorragia do nariz.

Para os mais curiosos, sim, ele está vivo e bem melhor. Continua a fazer algumas hemorragias nasais, mas agora ligeiras. Voltou a fazer o tratamento da Leishmaniose (agora vocês já sabem o que é!).

E outra razão porque estou muito contente hoje é a minha primeira prendinha de natal que recebi de uma das pacientes que eu e a minha orientadora estivemos a seguir durante bastante tempo e hoje trouxe-nos uma lembrancinha como agradecimento. Achei um acto tão carinhoso, apesar de eu ser apenas uma mera estagiária que apenas acompanha os casos que aparecem, mostrou que ainda assim faço alguma (por mais pequena que seja) diferença na vida de alguns desses animais, e só isso dá-me forças e uma grande motivação para continuar. É impressionante como estes pequenos gestos pode significar tanto!

2 comentários:

Dra.T. disse...

Olá menina...muito se aprende a trabalhar nesta clínica!Só queria fazer uma rectificação sobre a transmissão de Leishmaniose. No caso do homem temos tb a transmissão directa por seringas contaminadas (que é a via de transmissão mais usual em medicina humana).No caso dos animais existem outras formas de transmissão menos frequentes, como a via transplacentária e transfussão sanguínea).Beijinhos e boa sorte para o site...está muito giro. Dra.T.

Zhyph disse...

Muito obrigado pela rectificação, gosto muito que o que eu digo esteja sempre o mais correcto e completo possível, por isso corrija-me sempre.
Fico muito satisfeita por ter a Dra a acompanhar não só os meus progressos na clínica mas também os fora dela (aqui no blog) :D
E qm melhor para me corrigir sobre a leishmaniose do que a Mestre? :D
Beijinhos e volta sempre